RSS

Santa Rosa de Viterbo (Santa)

04 set

Rosa de Viterbo (Santa)Santa Rosa de Viterbo é uma santa italiana venerada pela Igreja Católica, padroeira que dá nome a nossa cidade.

Biografia

Localização da cidade de Viterbo

Localização da cidade de Viterbo

Rosa nasceu em 1233 na cidade italiana de Viterbo, que fica a 80 km ao norte de Roma, na época pertencente aos Estados Pontifícios, governados pelo Papa da Igreja Católica.

Viterbo é conhecida como a cidade dos Papas, já que no século XIII muitos pontífices tinham residência de campo na cidade e lá passavam até mais tempo que no Vaticano.

Situada na região da Lazio, Viterbo também guarda o corpo do Papa Adriano, considerado o primeiro Papa, após o apóstolo Pedro. Na cidade realizou-se o primeiro conclave.

Envolta por antigas tradições e sem dados oficiais que comprovem os fatos narrados, a vida de Rosa foi breve e incomum.

Rosa nasceu em uma família humilde, que possuía uma boa propriedade na vizinha Santa Maria de Poggio, vivendo com conforto da agricultura. Seu pai chamava-se João e sua mãe Catarina.

João também era jardineiro do Converto Santa Maria das Rosas. Como era comum na Idade Média, a função do jardineiro desse Convento passava por várias gerações, de pai para filho. João, o jardineiro deste Convento, já idoso, não possuía descendente. Catarina, sua esposa, se unia ao humilde jardineiro, em orações à Santa Izabel e São Zacarias, pedindo um herdeiro. Em outras ocasiões as preces à Santa Izabel e São Zacarias haviam sido ouvidas, por exemplo, quando nasceu São João Batista.

E as preces do jardineiro e sua esposa, em Viterbo, acabaram sendo atendidas, mas, limitadas ao desejo inicial, pois não conseguiram um descendente homem. João e Catarina tiveram, no dia 6 de março de 1233, uma filha que veio a ser a mais bela rosa do jardim daquele jardineiro, que seria a glória do seu lar, da sua cidade e uma das maiores santas da Igreja. Desde o berço, Rosa – nome que a menina recebeu em louvor à Santa Maria das Rosas – mostrava sinais de uma vocação especial.

Rosa era uma criança carismática, notável pela sua santidade e seus poderes milagrosos desde pequena, além um amor incondicional ao Senhor e a Virgem Maria.

Santa Rosa ressuscitando sua tia

Santa Rosa de Viterbo ressuscitando sua tia

Quando tinha quatro anos sua tia do lado materno faleceu e, segundo a tradição popular, Rosa chegou diante do caixão e chamou sua tia com voz imperiosa. Uma força sobrenatural animava aquela voz infantil e a vida voltou ao corpo inanimado diante da multidão estarrecida. A tia estava ressuscitada. A cidade de Viterbo se comoveu e a menina Rosa passou a ser considerada uma verdadeira santa.

Ainda segundo a tradição popular, ela ajudava os pobres distribuindo pães aos necessitados. Chegava a entregar tudo o que tinha dentro de casa. Então foi advertida pelo pai que seria castigada se continuasse entregando a comida de casa aos pobres. Mas Rosa não os abandonou e continuou distribuindo pães aos famintos. Um dia, surpreendida pelo pai, Rosa escondeu os pães que iria dar aos pobres em seu avental. Questionada por ele o que tinha no avental, ela disse que eram rosas que havia colhido no campo. Seu pai não se convenceu e pediu para que ela lhe mostrasse. Ao abrir o avental, milagrosamente os pães haviam se transformado em rosas. Livre do castigo, Rosa continuou seu ato de caridade.

A fama de milagrosa levou Rosa a viver como uma recusa e fazia penitencia. Retirou-se num estreito quarto de casa, de onde só saia para ir à Igreja vizinha. Neste gênero de vida ficou dos quatro aos dez anos de idade.

Aos oito anos, quando algumas senhoras da cidade a visitaram a procura de seus conselhos, Rosa foi arrebatada em um êxtase exclamando: “O Rei Luís é vencedor e os cristãos triunfam”. Soube-se, um mês depois, que Dom Luís, Rei da França, à frente dos Cruzados, tomara Damieta dos turcos.

A extrema fraqueza produzida pelos jejuns e disciplinas a que se entregou, fizeram com que Rosa ficasse gravemente doente. No dia 23 de julho de 1245, foi atacada por uma forte febre e estava a beira da morte. Foi quando a Virgem Santíssima apareceu para Rosa e lhe disse: “Levanta-se minha filha porque amanhã irás a Igreja de São João Batista, depois à de São Francisco, onde tomarás o hábito da Ordem Terceira”.

Na sua cama, de repente ajoelho-se e balbuciou o nome de Maria, ficou ali por um longo tempo, então levantou e sorriu, estava sem febre. Contou então o ocorrido. No mesmo dia foi à Missa e depois foi pedir sua admissão na Ordem da Penitência de São Francisco – hoje chamada de Ordem Franciscana Secular.

Nesta época, Frederico II, imperador da Alemanha no século XIII, tentava apoderar-se dos Estados Pontifícios. Frederico II era um herege, que negava a autoridade do Papa e o poder do Sacerdote de perdoar os pecados e consagrar. Frederico II protegeu hereges, expulsou bispos de seu território, ameaçando invadir os Estados do Papa. E foi excomungado pela Santa Sé.

Esta medida enfureceu o imperador, que invadiu a Itália, em direção à Roma, abrindo caminho com vergonhosas capitulações. O Cardeal Colona, comandante das tropas pontifícias, rendeu-se sem batalha traindo o Papa. Em 1247, Frederico II chegou triunfante à Viterbo, a mais forte cidade dos Estados Pontifícios no caminho para Roma. E Viterbo também submeteu-se ao invasor. Deixando um governador na cidade, Frederico II partiu então para tomar Roma.

Rosa teve outra visão, desta vez com Cristo que estava com o coração em chamas. Ela não se conteve, saiu pelas ruas pregando com um crucifixo nas mãos.

Aos nove anos, já vestida com o hábito da terceira franciscana, a pequena Rosa começou a percorrer as ruas de Viterbo com um crucifixo na mão exclamando: “Irmãos, façamos penitência e apaziguemos a cólera de Deus, pois grandes males nos esperam”. Rosa tinha adquirido sabedoria apenas na meditação do Crucificado. Tinha tais arroubos de eloquência e citava tão a propósito as Sagradas Escrituras, que atraia multidões e causava admiração aos mais doutos sábios e teólogos.

Numa ocasião em que a multidão era tão grande que não podia ver a “apóstola”, apesar de ter esta subido em uma pedra, Rosa começou a levitar-se até poder ser vista por todos. A notícia deste milagre, a levitação de Rosa, atestada por milhares de testemunhas, percorreu a Itália.

A pregação de Rosa transformou Viterbo. Pecadores empedernidos se convertiam. Hereges voltavam ao seio da igreja e, principalmente, os partidários italianos do imperador revoltado, reconciliavam-se com seu soberano – o Sumo Pontífice. Muitas vezes a multidão comovida interrompia a jovem missionária exclamando: “Viva a Igreja! Viva o Papa! Viva o Nosso Senhor Jesus Cristo!”.

Tempos depois, Frederico II voltou a dominar a Itália e, consequentemente, Viterbo. E Rosa foi denunciada ao Imperador e levada à sua presença, sendo proibida pelo ditador de continuar suas pregações. E Rosa respondeu à Frederico II; “Quem me manda pregar é muito mais poderoso e assim prefiro morrer a desobedece-lo”.

Rosa sendo expulsa de Viterbo

Santa Rosa sendo expulsa de Viterbo

Frederico II então mandou prender Rosa. Mas, temendo que houvesse revolta em Viterbo, caso conservasse Rosa na prisão, o Imperador mandou deportar a jovem missionária e seus idosos pais. Foi então que o prefeito da cidade decidiu exila-la em janeiro de 1250. Rosa e seus pais foram morar em Soriano onde sua fama já havia chegado.

Depois de muitas privações em meio à neve, Rosa e seus pais chegaram à Soriano, onde uma multidão correu para ouvi-la. E ela então pregou exatamente a submissão à Igreja. Nessa cidade, Rosa se tornou uma verdadeira apóstola, onde pregava o Evangelho a todos nas praças.

Na noite de 5 de dezembro 1250, Rosa pregava em praça pública, na cidade de Soriano, quando, iluminada, recebeu a visita de um anjo, que lhe revelou que o imperador Frederico II morreria depois de uma semana.

Então exclamou: “Regozijai-vos irmãos meus. Trago uma bela notícia que será uma grande alegria para todo o povo cristão. Frederico, o inimigo de Deus e de Seu Vigário, acaba de morrer. Dentro de alguns dias sabereis a notícia com certeza”. E Frederico II, efetivamente, morreu, a 13 de dezembro.

Rosa continuou sua pregação por várias vilas e cidades sempre em meio a grandes milagres.

Logo depois ela foi para Vitorchiano, cidade que obedecia aos feiticeiros. Sabendo de sua fama de milagrosa,  um feiticeiro discutiu com Rosa e foi desafiado a enfrentar uma fogueira. Rosa entrou na fogueira de uma pira e ali ficou por horas. Saiu sem nenhum sinal de queimadura, já o herege não resistiu às queimaduras. Um milagre que foi atestado por todos da vila.

Rosa realizou muitos milagres no exílio. Um deles, Rosa fez cair o cabelo e a barba de um homem que zombava de sua fé. Ainda há uma demonstração engraçada de fé e do poder de Rosa. Após ser acusada por uma mulher de lhe roubar uma galinha, Rosa fez crescer uma pena de galinha no rosto da acusadora, sua vizinha. Só depois da mulher admitir o erro que a pena veio a sumir.

Rosa conseguiu a conversão de todos, inclusive dos feiticeiros.

Com a restauração dos poderes do Papa após a morte de Frederico II, o poder dos hereges enfraqueceu e  Viterbo reclamou pela volta da jovem missionária, que retornou então para sua cidade em 1251. Toda a região voltou a viver em paz.

Ela desejava entrar para o Converto Santa Maria das Rosas, mas foi recusada. A história não explica no entanto, os motivos que fizeram as freiras daquele convento recusarem a presença de Rosa. E Rosa lhes disse: “A donzela que repelis hoje há de ser por vós aceita um dia, com alegria, e guardareis preciosamente”.

Rosa então transformou seu quarto em uma cela de religiosa, impondo-se a um severo silêncio, ocupando-se apenas com Deus, sentindo que sua missão havia terminado. Assim passou seus últimos sete anos de vida, só sendo interrompida por pessoas piedosas que vinham lhe pedir conselhos.

No dia 6 de março de 1252, Rosa entregou sua alma à Deus e morreu de causas naturais e sem agonia. Seu corpo foi sepultado na Paróquia Santa Maria Del Poggio.

Aparição de Santa Rosa de Viterbo ao Papa Inocêncio IV

Aparição de Santa Rosa de Viterbo ao Papa Inocêncio IV

Mas, por três vezes o Papa Inocêncio IV sonhou com Rosa, que lhe pedia por parte de Deus, que ele mesmo, o Papa, transladasse seus restos para o Convento Santa Maria das Rosas.Rosa acertara mais uma vez – as religiosas daquele convento receberiam seus restos mortais como um verdadeiro tesouro.

No mesmo ano, no dia 25 de novembro, o Papa Inocêncio IV, por sua Bula “Sic In Sanctis“, mandou instaurar o processo para a canonização de Rosa. O Papa Inocêncio IV mandou exumar o corpo de Rosa no dia 04 de setembro de 1257, e para a surpresa de todos, o corpo foi encontrado intacto, quase como se ela estivesse viva.

O Papa Inocêncio IV encarregou-se pessoalmente desta missão, deslocando-se para Viterbo. No mesmo dia, Rosa foi transladada para o Mosteiro de Santa Maria, o mesmo que recusou seu pedido de ingresso à instituição, e carregada em procissão festiva pela cidade de Viterbo. Assim como havia profetizado, as religiosas daquele convento receberiam seus restos mortais como um verdadeiro tesouro.e o convento passou a se chamar Convento de Santa Rosa, em sua homenagem.

Depois desta cerimônia a Santa só foi “canonizada” pelo povo, porque curiosamente o processo nunca foi promulgado. O Papa Inocêncio IV mandou continuar os trabalhos do Processo de Canonização. Em 1454 o processo ficou pronto, mas o Papa Inocêncio IV morreu, sem que chegasse a promulgar o decreto de canonização.

A canonização de Rosa ficou assim, nunca foi oficializada. Mas também nunca foi negada pelo Papa e pela Igreja Católica. Santa Rosa de Viterbo passou a ser venerada principalmente na Itália. Foi integrada ao martiriológio romano mesmo não tendo chegado a ter passado pelo processo de canonização.Em setembro de 1929, o Papa Pio XI, declarou Santa Rosa de Viterbo a padroeira da “Juventude Feminina da Ação Católica Italiana“. No Brasil ela é “A Padroeira dos Jovens Franciscanos Seculares“. É padroeira das pessoas exiladas, pessoas rejeitadas pelas ordens religiosas, e da cidade de Viterbo, Itália.

Rosa é representada como uma figura jovem e mística que perambulava pelas ruas de Viterbo com uma cruz nas mãos.

Santa Rosa de Viterbo é festejada no dia de sua morte, 6 de março, mas também pode ser comemorada no dia 4 de setembro, dia do seu translado para o mosteiro de Clarissas de Santa Rosa, em Viterbo, Itália.

Seu corpo, incorrupto e flexível, está na Igreja de Santa Maria del Poggio, de onde todos os anos na data de 4 de Setembro é carregado em procissão pelas ruas de Viterbo pelos chamados Facchini di Santa Rosa num espetáculo monumental.

Urna com o corpo incorrupto de Santa Rosa de Viterbo

Urna com o corpo incorrupto de Santa Rosa de Viterbo

Laços com a cidade de Santa Rosa de Viterbo

Imagem no altar da Igreja Matriz

Imagem no altar da Igreja Matriz

Santa Rosa de Viterbo entrou para a história da nossa cidade em 1984. Neste ano foi construída a primeira igreja do então conhecido como Bairro Lagoa do município de São Simão.

Inicialmente, a pequena capela foi construída com intuito de ter como padroeira a Nossa Senhora Aparecida, mas ao comprar a imagem a ser entronizada na Igreja, “Sá” Chica, doadora das terras onde foi erguida a capela, foi enganada por um mascate que lhe vendeu uma imagem de Santa Rosa de Viterbo.

Após adquirir a imagem, moradores do bairro levaram a imagem para ser benzida pelo padre de Cajuru, que revelou que a imagem se tratava da italiana Santa Rosa de Viterbo e não de Nossa Senhora.

Os devotos ficaram chocados, mas o padre apressou-se em exaltar os ânimos, contando a história de vida e os milagres da santa. Os fiéis foram convencidos e aceitaram a nova padroeira. Mais tarde, a própria “Sá” Chica fez uma promessa e alcançou uma graça atribuída à Santa Rosa. A nova padroeira foi definitivamente aceita.

O Bairro Lagoa foi elevado a vila, então chamada de Vila Santa Rosa, e em 1910, desmembrada de São Simão para torna-se no município de Ibiquara. O povo da cidade não se contentou com o nome dado pelo governo e iniciou uma campanha para alterar seu nome para o nome da padroeira da vila.

Em 24 de dezembro de 1948, após várias mudanças de nome realizadas pelo governo do Estado de São Paulo, finalmente os clamores do povo santa-rosense foi atendido e o município foi rebatizado de Santa Rosa de Viterbo.

Oração

Deus, nosso Pai, à medida que nos transcorrem os séculos, vemos com mais clareza a vossa ação no mundo. Na verdade, vós sois um Deus fiel e agis com força e poder dentro da história dos homens, abalados por tantas contradições. Mas vós conduzis vosso povo através dos tempos. Moveis os corações dos homens para que encontrem a paz. E suscitais, segundo as necessidades de cada época, pessoas capazes de ler as entranhas dos tempos, pessoas fortalecidas com as vossas promessas antigas, mas sempre novas.

Por isso, Senhor, hoje nós vos suplicamos humildemente; a exemplo de Santa Rosa, façamos de nossa vida um tempo de conversão, de fidelidade a Deus e de amor à paz.

Vídeos

  • A Vida de Santa Rosa de Viterbo

  • Desenho sobre Santa Rosa de Viterbo

  • Reportagem do apresentador Gugu Liberato sobre “Corpos Incorruptos”

Anúncios
 
5 Comentários

Publicado por em 4 de setembro de 2014 em Religião

 

Tags:

5 Respostas para “Santa Rosa de Viterbo (Santa)

  1. Cláudio Rangel

    9 de fevereiro de 2017 at 20:41

    “Em Santa Rosa, vemos um exemplo dessa adesão generosa e total à chamada divina”. (São João Paulo II)

    http://santa-rosa-de-viterbo.blogspot.com.br/2016/09/7-rosa-e-os-papas.html

    Curtir

     
  2. Marianna

    29 de julho de 2016 at 21:49

    Parabéns pela pesquisa. Super completo,me ajudou muito pois irei reger o grupo de jóvens no qual faço parte semana que vem! Adorei sua pesquisa,super enriquecida de detalhes.

    Curtido por 1 pessoa

     
    • Leandro Queiroz

      30 de julho de 2016 at 16:55

      Obrigado!!!

      Curtir

       
  3. Cláudio Rangel

    18 de abril de 2016 at 21:08

    Parabéns pelo artigo, Leandro. Deus o abençoe e, pela intercessão de Santa Rosa de Viterbo, toda esta cidade que a homenageia. Abração,
    Cláudio

    Curtir

     
    • Leandro Queiroz

      19 de abril de 2016 at 10:29

      Obrigado Claudio. Estarei atualizando nos próximos meses, com mais histórias e fatos. Continue visitando o blog. Abraço

      Curtir

       

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: